terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Malhoa e os “Salons” de Paris (II)

1897 – Os Oleiros e para sempre Leal



            Como anteriormente vimos, no ano de 1897, Malhoa inicia a sua odisseia, não a «rústica», mas a cosmopolita e parisiense, entrando resolutamente no maior dos certames internacionais – o Salon.
             Nesse ano, ainda desconhecido dos franceses, verá o seu nome mal grafado e, no catálogo, é com dificuldade que o iremos encontrar, entre uns Mathieu e um Matisse, pois como «Mathoa» passou então à história.


            Confirmam-se no entanto as obras que levou a Paris e os respectivos números de catálogo:

1149Les potiers / Os oleiros, c.1897
1150Portrait de M.me L… / Retrato de madame L (Dona Tereza Leal), datado de 1896

Foi este o quadro:

JMalhoa. Les potiers / Os oleiros, c.1897. ost, 130x165, desaparecido.

            E este o retrato:

JMalhoa. Portrait de M.me L… / Retrato de madame L (D. Tereza Leal), 1896
ost, 56x46, MNAC, em depósito no MJM.

Com toda a deferência, comecemos pela Senhora Dona Tereza. Trata-se de uma tela quase ignorada, pelo menos quanto a haver sido o primeiro Retrato que Malhoa considerou para o representar no Salon. Ele próprio, pelo seu punho, deixa-nos, dois anos depois, estas notas, onde claramente identifica a obra e regista todo o apreço que lhe devotava:

«Pintei n’este ano em Figueiró, o quadro “a córar a roupa” que vai figurar na exposição de Paris, e “Uma desgraça” (a morte do porco). | Pintei igualmente nos mezes de Novº e Dezembro o retrato da Condessa de Mossamedes, que muito tem agradado, e que eu conscienciosamente julgo sêr o unico que pode igualar em merecimento o retrato de Madª Leal, que expus com tanto exito no “Salon” de 1897 junto com “Os Oleiros” e que tanto enthusiasmou foi celebrado pela imprensa Parisiense. Isto devido única e exclusivamente a modello têr a devida compreensão e pouzar-me bem. | José Malhôa | 31 Dezembro 1899.» [1]

         Nos dias de hoje, podemos admirar todas as qualidades esquecidas do Retrato de D. Teresa Leal [2], 1896, no Museu de José Malhoa, nas Caldas da Raínha.
            E sintomático é que a única foto a cores conhecida da desgraçada da Dona Tereza, seja esta bela coisa [3]... disponível na matriznet.






                      Passemos agora a'Os Oleiros. Aqueles e não outros. E apesar das confusões.
              Damos a palavra ao velho Bartholomeu Sesinando. Vejamos o que ele escreveu a propósito da 7ª Exposição do Grémio Artistico desse ano de 1897 [4]:

   «(...) O nosso pequeno Salon, mais composto de morceaux d’atelier que de grandes quadros, sempre vae servindo para excitar a bôa emulação dos confrades pintores, mas é, entre nós, bem limitado o numero d’aquelles a quem, mesmo replecto d’obras primas, elle seria recreação agradável. (…)
         (…) Este anno o nosso pequeno certamen artistico, celebrando-se mais tarde, coincide com o grande certamen de Paris, e ao mesmo tempo que nos é permitido exultar os esforços coroados dos mais modestos dos nossos artistas, poderemos tambem apllaudir aquelles que, lançando vôos largos, vão ao concurso internacional da grande cidade buscar a consagração do seu talento.
         Tem plena confiança em si, e não se arreceiam da vizinhança dos grande nomes que attrahem todas as attenções, os que, apenas conhecidos n’um limitado centro, lá esperam obter um pouco de succès. (…)
         (…) Malhôa, entrando resolutamente no Salon este anno, não receiou vizinhança que o prejudicasse e os seus Potiers chamaram a attenção sobre o seu nome, triumpho tanto mais lisongeiro e honroso para nós quanto elle é um verdadeiro e genuino pintor portuguez. Não cursou as escolas, nem frequentou os ateliers extrangeiros, foi sempre o nosso bello sol que dourou a sua paleta, os nossos typos que elle estudou, e ao seu esforço perseverante, á sua vontade energica deve o que tem conseguido.
         Offerece-nos a exposição do Gremio Artistico, n’uma téla pequena – Os oleiros – a reducção do quadro que enviou ao Salon dos Campos Elysios, em que, até hoje nunca reclamara entrada, e onde o acolhimento feito pela critica a este extrangeiro que se apresenta sem mais recommendação que o seu proprio valor, é bastante agradavel para o artista e para o nosso orgulho nacional.
         Rocheblanc, na Independence Belge de 24 d’abril cita o quadro de Malhôa com as seguintes lisongeiras palavras:
         Non moins verveux, mais beaucoup plus fondu de pâte et harmonieux d’accent, est le morceau des – Potiers – de Mr. Malhôa, de Lisbonne. L’autorité, la puissance, respirent en cette page, qui semble écrite dans un coup d’improvisation, tant elle est décidée, et qui n’en a pas moins toute la saveur e la force douce d’un Velasquez.
       A conhecida revista franceza L’Illustration, que annualmente  publica um numero especial, consagrado ao Salon, em que reproduz pela gravura alguns quadros, escolhidos entre os mais interessantes dos milhares que n’elle se expõem, colloca n’essa escolha o quadro de Malhôa, que Alfredo de Lostalot fazendo a critica geral da exposição apresenta como um savoureux morceau de peinture. (…)»

         Um rico texto. E que nos conta a história toda: que nesse ano o Salão alfacinha coincidiu práticamente com o Salon parisiense; que em Lisboa se pode ver a «reducção» de Os oleiros, enquanto ao mesmo tempo, nas margens do Sena, a sua outra versão - a grande e definitiva - era muito bem acolhida; e até nos dá, de bandeja, aqueles pedacinhos bem significativos das principais críticas internacionais. Um verdadeiro 3 em 1, melhor que certos shampooings [5].

JMalhoa. Os oleiros, 1896. ost, 59x78, COSEC - comp. seguros.

JMalhoa. Les potiers / Os oleiros, c.1897. ost, 130x165, desaparecido.

            Vejamos agora o que nos diz Malhoa, ele mesmo, sobre as suas duas versões de Os oleiros.
Em 5 de Maio desse ano de 1897, Malhoa regista, junto às de mais dois quadros da 7ª Exposição do GA, a «Venda do quadro “Os oleiros” ao Conde de Proença a Velha - 300$000» [6], pelo preço constante no catálogo. Como é evidente, refere-se à versão pequena, ao quadro que chegou até nós, o conhecido, o com 59x78, o datado de 1896, o «da COSEC», a «reduccção», o “estudo”, ou como lhe queiram chamar, o que esteve unicamente presente na 7ª do Grémio e pronto!
Que o outro, o que foi a Paris ao Salon de 1897, o grande, com 130x165, o que irá estar presente na 8ª Exposição do Grémio [7] no ano seguinte, o que voltará ainda a Paris para a Exposição Universal de 1900 – onde receberá uma Medalha de Oiro – e que naufragou na viagem de regresso, o que aqui nos interessa, é outra coisa. Sobre esse, só mais tarde, no verão de 1898, já depois da 8ª do Grémio, Malhoa registará a «Venda dos “Oleiros” e “Padeiras” ao Bravo – 500$000» [8] (fez desconto, que no catálogo desse ano estavam por 500$000 e 250$000, respectivamente). E, ainda mais tarde, em 8 de Abril de 1901, quando recebe o valor do seguro pelo naufrágio do Saint-André, confirma-o «…”Os Oleiros” pertencentes ao Bravo, valor um conto de reis…»

Há inúmeras referências, artigos e textos que, por engano ou desconhecimento, contrariam estes factos – em 1983, em 2003 e por aí fora… e outras, mais recentes, que tentam emendar a mão e ainda se atrapalham [9].
Mas os factos são os factos e não há mais nada a dizer.

Resumindo, Os oleiros, 1896, a versão que chegou até nós, 59x78, esteve unicamente presente na 7ª Exposição do Grémio, 1897.
Les potiers / Os oleiros, de data desconhecida e, segundo o catálogo do Grémio, com 130x165, teve participações no Salon de 1897, na 8ª Exposição do Grémio, 1898, e na Exposição Universal de 1900 - Medalha de Oiro. Perdeu-se com o Saint-André e dele resta sómente a imagem fotográfica.
Tão simples quanto isto!



JMalhoa. Apontamento para Os oleiros,1894. folha de álbum, lsp, 15x23, MJM.


E, já agora, mais duas opiniões da imprensa estrangeira, publicadas na altura, e que Malhoa citará, orgulhosamente, bastante mais tarde em correspondência privada  [10].
 «Ainda sobre os “Oleiros” | Revue Française | On cherche la signature de M. Lhermitte [11], et on trouve celle de M. Malhôa, un Portugais, en bas d’une scène prise dans une poterie
 «Sobre o retrato de Madame L… | deux très puissantes œuvres de M. Malhôa, que je ne connais pas, mais d’ont la figure de femme âgée m’a paru la tête d’étude la plus valente du "Salon", et les "Potiers", une composition vigoureuse.»

Evidentemente, Malhoa começava bem a odisseia parisiense!
      Entretanto «a cabeça de estudo mais valorosa do "Salon"», no entender do crítico francês, e tão considerada pelo próprio autor, anda por aí mais ou menos ignorada...




25 Dez. 2012 (revisto em 12 Mar. 2013). LBG



[1] Em nota de final de ano, em Dez. 1899, no seu livro de assentos «Receita | Despeza». Os sublinhados são do próprio JMalhoa.
Repare-se, apesar de alguma confusão de linguagem no final, como o Autor se refere ao «retrato de Madª Leal» - este, claramente! E, ainda, as considerações que faz sobre o «retrato da Condessa de Mossamedes», o tal que, meses depois desta nota, irá enviar ao Salon da SAF de 1900. E que, com o futuro retrato da outra Dona Tereza (a Pereira da Costa), completa o notável terceto de Retratos de velhas Senhoras, distintas e graves, mostrados em Paris…

[2] E, convenhamos, interessará bem mais (re)conhecer tais qualidades e esta interessante tela como a presente em Paris em 1897, que discutir se o nome do meio da dita Senhora era Teixeira, Sousa ou o que fosse…

[3] Sobre a qual não há que culpar a fotografa, que não é para isso que lhe pagam…

[4] Ribeiro Arthur, B. Sesinando - in Arte e Artistas Contemporaneos, 2ª serie. Livraria Ferin, Lisboa, 1898, p.244 a 249 – A setima exposição do Gremio Artistico. (publicado originalmente in Branco e Negro, nº59, 17 Maio 1897)

[5] Claro que, assim, ficamos impedidos de brilhar. Não podemos citar Rocheblanc ou A. de Lostalot como se os tivéssemos ido ler ao original. Que o bom do Sesinando já fez o trabalhinho todo pela gente, vai para cento e quinze anos. Mas, antes assim e com a história bem contada, que fingir sabedoria e aviar trapalhação…

[6] Nota na coluna da Receita, no livro manuscrito «Receita | Despeza».

[7] Há, contudo, uma nota, publicada logo nesse ano, que, mal lida, pode levar ao engano: «José Malhôa tem na exposição um bom numero de quadros em que se contam alguns retratos felizes e os Oleiros que, apesar de já ser conhecido da ultima exposição, figura com vantagem entre os outros quadros que expõe este anno.» in Occidente, nº702, 30 Jun 1898, p.146.
O anónimo articulista de o Occidente deveria querer dizer que o tema se repetia - isso, ou nem olhou para o quadro, que agora era quatro vezes maior…

[8] Nota na coluna da Receita, no livro manuscrito «Receita | Despeza».

[9] Confesso que a coisa já chateia, mas não posso deixar de chamar a atenção para as duas fichazinhas recentemente publicadas - CRJM/0340 e CRJM/0342 – a primeira versando Os Oleiros, 1896, a segunda referente à versão maior do mesmo título, a de c.1897, não ilustrada. Lendo com atenção, ficamos a saber que o autor deu em desafiar as Leis Divinas e as Leis da Física. No primeiro caso, confere à tela de 1896 o dom da ubiquidade – como sabemos, reservado ao Espírito Santo e às restantes Pessoas da Trindade – colocando aquele quadro, no mesmo tempo, em lugares tão distantes como o Grémio alfacinha e o Salon de Paris. Por outro lado, contrariando aqueloutro princípio que nos diz da impossibilidade de dois corpos ocuparem ao mesmo tempo o mesmo espaço, dá como certa a presença de ambas as telas no mesmo lugar do mesmo Salon francês. Mistérios… 
E o desvario espaço-temporal vai mais longe, dando bilhete de ida e volta para o Rio, em 1906, à tela pequena - onde, que se saiba e consultando variadissimas fontes, nunca então esteve. Aliás, tal seria estranhíssimo se considerarmos que, comprado a 5 de Maio de 1897 pelo Conde de Proença a Velha, na Grande Exposição de Homenagem de 1928 o encontramos ainda na posse da Condessa... Mas "foi no entretanto ao Rio"... que iria lá fazer? tomar um chopinho na Barra da Tijuca?


[10] Ver carta a Augusto Gama, datada de 13 Dez.1911, existente no espólio do Museu de José Malhoa.

[11] Trata-se de Léon Augustin Lhermitte (1844-1925), pintor naturalista francês.

sábado, 22 de dezembro de 2012

Malhoa e os "Salons" de Paris (I)

De 1897 a (quase) 1913.
Com oleiros, padeiros, barbeiros, cavaleiros, seareiros, adegueiros... (e alguns sapateiros)



No ano de 1897, Malhoa inaugura as suas participações nos Salons parisienses da Société des Artistes Français - desiderato final dos artistas ao tempo. Tais participações serão contínuas até 1912 - salvo o ano de 1910, em que O Fado perdeu o combóio [1] e ficou à espera mais dois anos. Depois, em 1913, sem remédio, desapontado, Malhoa, terá percebido que já não era o seu tempo e acabou com aquilo…

Nestas quinze participações quais foram, afinal, as obras que Malhoa criteriosamente escolheu para o representar nos mais importantes certames da época? Quais, afinal, os quadros aceites pelos exigentes júris de admissão – ou julgam que era mandar uma coisa qualquer e os franceses logo a penduravam na parede? Que pinturas foram essas?
A maior parte, sabê-las-emos de cor – Os oleiros (mas quais?), As papas, A volta da romaria, O barbeiro na aldeia, A procissão, As cócegas, Os bêbados e, claro, O Fado (o tal) - Ah!... e mais uns RetratosPois sim! Mas quais, e será que os sabemos todos? Não será que andam por aí algumas coisas trocadas, outras miseravelmente ignoradas ou esquecidas? Fazer a história das vinte e uma obras que Malhoa mostrou nos Salons, enumerá-las, mostrar-lhes a cara – na medida do possível – eis tarefa a que agora nos propomos. Essas, e mais umas que de algum modo as acompanharam, e as que bateram com o nariz na porta. Afinal, sempre deverão ser algumas das “mais significativas obras do Mestre” – como gostam de dizer.
Como calcularão, vai demorar algum tempo – «depressa e bem, não há quem». É coisa para se ir fazendo aos poucos. Como de costume: provocando e «…arranhando sempre». Fica o convite para irem acompanhando. Pode ser que haja algumas surpresas…


Comecemos pelo princípio.
Para a primeira meia dúzia de participações e para as primeiras onze obras, temos um auxiliar precioso - o artigo, já aqui citado, de The Studio, publicado em 1905 – o tal que, digo eu, toda a gente gosta de referir e, parece, ninguém leu… ou não se escreveria tanta asneira. Aqui fica, mais uma vez, agora o parágrafo completo que se refere ao presente assunto, na língua de Shakespeare, e com mais umas notas minhas. Curto e grosso. Tem lá tudinho. Sem muitos rodeios, à velha maneira britânica [2]. Façam pois a finesa.


«(...)   Since 1897 Malhôa has annually taken part in the exhibitions of the Société des Artistes Français. He made an excellent débût there with a woman’s portrait and The Potters [3]. The latter afterwards obtained the gold medal at the Exhibition of 1900 [4]. In 1898 he exhibited Gruel and In the Bakehouse [5]. The former is a group of old beggar women; the latter is in his own special genre – the “genre Malhôa,” as it is called in Portugal. We are shown peasant-women of Minho [6] in their motley garb, busy making bread. The Lecturer and The Priest of Constance [7] were exhibited in 1899, and The Portrait of the Countess of Mossamedes [8] in 1900. The Return from the Fête [9], honourably mentioned at the Salon of 1901, is remarkable for truth and character; those who know the strong effects of colouring in the land of sunshine will recognise that there is no exaggeration of its brilliancy. The Man in the Hood [10], also of 1901, is one of the most striking of the master’s works; to prevent its leaving the country it was acquired by a group of artists and amateurs, who presented it to the nation for the National Museum. The Village Barber and the Portrait of a Woman [11] (which had obtained a medal at Madrid) were exhibited in 1902. The former is another rural scene: the village Figaro, who visits the hamlets on Sunday morning, is shaving a peasant under the shade of a chestnut-tree, while the others who are waiting for their turn form a admirably group. The transparent blue of the sky is as noteworthy as is the rest of this fresh, robust, and wholesome painting. (...)»   
                                                                                    
R.S. in The Studio. London, Aug. 15, 1905, vol.35. nº149. p.246


         Logo iremos debruçar-nos sobre cada um destes certames. Até lá.


22 Dez. 2012. LBG



[1] Veja-se o que escreve Matilde Tomaz do Couto in Malhoa e Bordalo…, p.21. (quando chegar a altura, logo aqui voltaremos)

[2] Claro que a “escola francesa” é sempre mais apelativa, brilhante mesmo! Mas, às vezes, o eloquente brilhantismo formal oculta alguma ligeireza de conteúdo, a erudição estonteante das ideias possibilita que alguns aspectos pouco criteriosos ou apenas plausíveis se transformem em factos verdadeiros, trocas e baldrocas diluem-se em magnífica prosa que gulosamente sorvemos. O problema só surge quando nos servem francesinhas já com pouco molho – aí, torna-se mais difícil engolir o escalope...

[3] Trata-se de Portrait de M.me L… / Retrato de M.me L (Dona Teresa Leal),1896, e Les potiers / Os oleiros, c.1897 (na versão maior, já desaparecida).

[4]  Refere-se à Exposição Universal de Paris, 1900, onde Os Oleiros (os mesmos e não outros) voltaram para a sua derradeira exibição, naufragando na viagem de regresso.

[5] Trata-se de La bouillie / As papas, 1898 (a versão grande, como é evidente), e de Au four; costumes du Minho (Portugal) / No forno, 1897.

[6]  … a crer na precisão geográfica do título. Embora, muito possivelmente, tenha sido tomado ali nas Bairradas, ao termo de Figueiró…

[7] Trata-se de Le cathédratique / O Catedrático e de Portrait de M. le curé de Coustanaix, Joô Alvès de Meira [sic – assim mesmo e não de outro modo qualquer – que até a transcrever há tendência em aldrabar…] / Retrato do Prior de Constância. Ambos, igualmente e nas mesmas circunstâncias, desaparecidos posteriormente no naufrágio do vapor Saint-André.
Tal como À passagem do combóio (na sua versão inicial), A corar a roupa (idem) e Os oleiros (o referido na nota 4). Perderam-se assim cinco das seis telas que JM enviou à Exposição Universal de Paris 1900.

[8] Trata-se do «retrato Cond.ª Mossamedes» (assim anotado por Malhoa no seu exemplar do catálogo do Salon de 1900) / Retrato da Ex.mª Sr.ª Condessa de Mossamedes, 1899.
Registe-se mais esta fonte que contraria um engano de 1983, transformado em asneira sucessivamente repetida, e que coloca no Salon de 1900, não se percebe bem porquê e de novo, As papas, como se servidas em dose requentada.
Nunca ninguém se interrogou como raio poderia um quadro ter uma representação em reprise no Salon parisiense? A resposta está e sempre aqui esteve, à vista de toda a gente… E confirma-a a referida anotação pessoal de Malhoa.

[9]  Trata-se de Le retour de la fête / A volta da romaria, 1901. E que valeu a JM a Menção Honrosa no Salon.

[10]  Trata-se de L’homme au capuchon / O homem do gorro / Retrato do fotógrafo António Novais, 1901.
Note-se a referência à movimentação de artistas e amadores para a sua oferta ao Museu Nacional – tal, mais uma vez e para quem queira ver, confirma que se trata de um só e do mesmo quadro… O catálogo de 1928 e as fotos da respectiva exposição dão-nos a prova dos nove. A real, é-nos dada pelo próprio Malhoa, em anotação pessoal já aqui citada…

[11] Trata-se de Le barbier du village / O barbeiro na aldeia, 1902, e de Portrait de Mme C… / Retrato da Ex.mª Sr.ª P. da C. (Dona Teresa Pereira da Costa), 1900 (?).

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

A Liquidadora do Libório

“By Appointment to Malhoa, since 1904”


Corria o ano de 1904, o mês era Março.
Malhoa andava atarefado com as obras da nova casa na Av. António Maria d’Avelar. Dias antes havia anotado, no seu livro pessoal de «Receita e Despeza», o pagamento à Câmara Municipal de Lisboa do «resto da importância porque me vendeu o terreno da rua Pinheiro Chagas», mais os selos e emolumentos da praxe – uma quantia calada.



No primaveril dia 21, Malhoa assenta o seguinte:
«Comprei na Liquidadora (Liborio):
1 Sofá e 12 Cadeiras em pau santo – 300$000
1 Commoda antiga com ferragens – 170$000
1 Contador – 50$000
1 Mobilia de quarto de Cama e toillete – 280$000
Comprei na Liquidadora um busto João de Deus – 1$100
2 Quadros com desenhos – 2$800
1 Sofá estofado (genero persa) - 10$000
1 Cadeira antiga (de braços) – 6$000
2 Almofadões (genero persa) – 1$600
1 bufete – 18$500»



Trata-se, sem qualquer dúvida, de coisas destinadas à casa nova que em breve iria estrear.
Alguns destes objectos são ainda hoje possíveis de identificar com razoável certeza: O contador e o bufete, muito provavelmente este e mais este [1],  farão parte do espólio do Museu José Malhoa nas Caldas da Raínha.

         
  A cadeira de braços, D. João V ou D. José, acabará registada num dos seus quadros – em O Descanso do Modelo, c.1913, pintado já no novo atelier, lá a podemos encontrar – retratou-a para a posteridade.






          O busto de João de Deus, em terracota, da autoria de Costa Motta e datado de 1895, tal como os almofadões, são outros dos objectos comprados na Liquidadora que José Malhoa conservará consigo até ao fim da vida.


A Empreza Liquidadora, de José dos Santos Libório, dará origem à Leiria & Nascimento, e esta tem actualmente continuidade na World Legend. Uma história longa e simpática ligada aos leilões e ao mercado da arte.

Fica a nota, assinalando os cento e trinta anos de vida da WL, e algumas das peças que Malhoa ali comprou no longínquo ano de 1904.

11 Dez. 2012. LBG



[1]  Há um outro bufete mas, pelo preço e pela similitude com o contador, deverá ser este.
Trata-se, por certo, de mobiliário proveniente do atelier de Lisboa e não, como referido no historial da matriznet, «provenientes do atelier do Mestre Malhoa em Figueiró dos Vinhos». Logo, pelo seu carácter claramente mais citadino em oposição ao mobiliário mais ligeiro existente no «Casulo» - veja-se, aqui e aqui, a mesa da casa de jantar, mandada executar por Malhoa ao carpinteiro Manuel Granada aquando das obras de ampliação do «Casulo» (1898-1901) e que até há alguns anos havia miraculosamente sobrevivido in loco. Depois, porque posso garantir que o Senhor Luiz Pinto, talvez ao contrário de outros, não tinha por hábito doar o que lhe não pertenceria… e o que Luiz Pinto doou para o museu foram coisas do atelier de Lisboa (as que doou e as que outros por ele doaram).








quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Parabéns à prima!


Acabo de fazer para cima de quatrocentos quilómetros. Por razões de consciência. E para o ver.
Vi-o. Soberbo. E a soberba dele. Um dos grandes retratos que Malhoa pintou. Sem dúvida alguma.
Conversámos. A princípio a medo – sempre é um antepassado e não o via vai para meio século – e o respeitinho é de bom tom. Depois, tu cá tu lá, que pela escrita conhecemo-nos de ginjeira.
 
J.Malhoa. Cabeça d’estudo [retrato de M.H.Pinto], 1902.
a. d. | óleo s/ madeira | 44x37 | c.p.
3ª Exposição da SNBA, 1903. nºcat. 99.
Foto: Pedro Aboim Borges
 
Mirei-o, virei-o do avesso. Como desconfiava, é uma tábua. E das boas. Daquelas com rebaixo e tudo para não mais empenarem, com um grande carimbo do «Paul Denis, Succ.r». Parece nova, importada de França há cento e dez anos. A moldura, mais afanada, ainda tem o selo do Manuel João, o dourador…
Contei-lhe a estória do «Sr.P-da-não-sei-quantas». Sem desmanchar a pose arrogante, piscou-me o olho, encolheu os ombros e terá murmurado – Deixá-lo…
Lá o deixei. E com a certeza que daquela coisa safa-se a foto. Por isso, aqui fica de novo.

Ah! E manda beijinhos!

 

6 Dez. 2012. LBG.